sábado, 12 de febrero de 2011

O que é Biomagnetismo?

O que é Biomagnetismo?

O Biomagnetismo Médico é um sistema terapêutico inédito no Brasil, desenvolvido pelo doctor Isaac Goiz Duran (México) a partir de 1998; nele utiliza potentes imãs para combater parasitas, bactérias, fungos, vírus e outros germens que são a causa de diversas enfermidades.
O sistema consiste no reconhecimento de pontos de energia alterados no organismo humano que em conjunto provocam uma doença. Este reconhecimento é efetuado com imãs passivos (não eletrificados nem ligados a maquinas elétricas), que são aplicados em diversas zonas do corpo humano como se tratasse de um rastreio ou escaneio Biomagnetico.
Uma vez reconhecidos e confirmadas tais zonas no seu potencial energético que correspondem a órgãos e tecidos que sofrem a distorção-. O terapeuta aplica um conjunto de imãs nesse pontos durante 10 a 30 mins em cada pessoa e geralmente se aplicam em forma simultânea.
A doença localiza-se no orgão ou tecido em desequilíbrio entre cargas positivas e negativas. Se corrigida a alteração iônica, desaparece o problema, já que se retorna ao ponto de equilíbrio (NEM). Disto se encarrega o Biomagnetismo, já que graças a sua força da energia de polaridade negativa é capaz de impactar uma carga patológica similar, a qual se anula quando se encontra com a carga positiva.
O Biomagnetismo é compatível com qualquer forma de terapia (homeopatia, Alopatia, Naturopatia, Florais de Bach, Reiki, etc.) que também podem-se utilizar simultaneamente com tratamentos alopáticos tradicionais, sempre e quando se justifique o seu uso e não se disponha de outra alternativa.

Muitas culturas ancestrais, entre as que encontramos a china, hindu,, a árabe, a hebreia e as antigas dinastias egípcias utilizavam imãs pelas suas propriedades terapêuticas. A lenda conta que Cleopatra, para retrasar o processo de envelhecimento dormia com uma pedra imã sobre a testa, No seculo III A.C., Aristoteles escreveu acerca das propriedades curativas dos imãs naturais, que chamava de “imãs brancos”.

http://biomagnetismo.wordpress.com/wp-includes/js/tinymce/plugins/wordpress/img/trans.gifNo século I D.C., Plínio o velho, historiador romano, fala sobre a utilização dos imãs para curar problemas oculares. durante o mesmo seculo, alguns geomânticos chineses começaram à documentar os efeitos sutis do campo magnético terrestre na saúde humana logo os utilizam como bussulas de grande precisão para a exploração das condições geomagnéticas.
No seculo II, o célebre médico Galeno recomendava o emprego de imãs para tratar a pressão de ventre e diversos transtornos de dor. No seculo IV, Marcel, o filosofo medico Frances, aconselhava levar um imã ao redor do pescoço para aliviar as dores de cabeça. No seculo VI, Alexandro de Tralles utilizava imãs para tratar dores nas articulações.
Depois, durante o seculo X, o médico islâmico Ibn Sina, também conhecido como Avicena, afirmou que era capaz de tratar a depressão mediante a terapia magnética.
Ao redor do ano 1000, um medico documentou  a utilização de imãs para aliviar doença com a gota e espasmos musculares.
Um grande numero de médicos e sanadores utilizaram imãs para curar diversos problemas médicos até o século XVI, quando o célebre médico Paracelso não só defendeu a capacidade dos imãs de tratar transtornos específicos, se não que além disso escreveu com detalhes os diversos efeitos curativos das polaridades magnéticas nos seres vivos.
Paracelso foi um dos primeiros em postular que a própria terra é uma grande imã. Nas suas obras sobre a terapia magnética, Paracelso defendia que o “imã é o rei de todos os segredos”.
Em 1977 a real sociedade francesa de medicina analisou os estudos sobre Curas magnética realizados por um abade chamado Lê Noble. Seus informes sobre os efeitos dos tratamentos magnéticos foram tão favoráveis que concluíram que o imã parecia destinado para desenvolver um papel tão importante na pratica e teorias médicas como o que estava começando a ter no campo da física experimental.
Curiosamente, alguns poucos anos depois essa mesma entidade condenou a obra sobre “magnetismo animal de Franz Anton Mesmer , quem utilizava passes magnéticos” nos seus paciente ao mesmo tempo que aplicava a energia do “magnetismo humano” por contraposição as pedras imãs magnéticas. Mesmer entendia a cura magnética segundo uma teoria astrológica que disse que o sol e a lua e inclusive a terra possuem energias magnéticas sutis.
Que podem influir no sistema nervoso humano e proporcionar energia ao corpo. As teorias de Mesmer se assemelhavam muito as de Paracelso. Os dois afirmavam que existe um fluido magnético ou uma força da natureza invisível e sutil que troca-se entre o céu e a terra, e dita força magnética pode curar e proporcionar energia aos seres vivos.
Mesmer estava convencido que o ser humano possui uma classe de magnetismo especifico, que ele denominou “magnetismo animal” para distinguilo das limaduras de ferro o “ferromagnetismo”. Continuo a sua labor desenvolvendo técnicas que permitiram captar e utilizar ese tipo de energia com o objeto de curar os seus pacientes.
Mesmer acostumava substituir a energia dos imãs permanentes que tinha utilizada pelo seu próprio magnetismo animal. Se bem não foi compreendido durante a sua época, no século XX os investigadores tem achado provas de que talvez Mesmer não se encontrava tão longe da verdade em relação as suas afirmações sobre o magnetismo animal.
Os estudos efetuados nos últimos 30 anos tem demostrado uma notável similitude entre os efeitos biológicos beneficiosos das mãos de um sanador e os efeitos terapeuticos dos imãs permanentes nos seres vivos.
tão só oitenta anos depois, o famoso químico francês Louis Pasteur documentou os descobrimentos que tinha realizado em relação aos efeitos dos imãs no processo da fermentação. Pasteur também desenvolveu um tratamento para a raiva. Assim como no processo de esterilização do leite (pasteurização).
Pasteur afirmou que colocando um imã proximo de um recipiente tendo frutas em fermentação (tal qual como se utiliza na produção de bebidas alcoólicas), o processo de fermentação era mais rápido. Naquela mesma época Samuel hahnemann, o criador da homeopatia, também experimentou com os imãs com fins terapêuticos e acabou defendendo o uso dos imãs para tratar um grande numero de transtornos da saúde.

O maior defensor da terapia magnética durante a segunda metade do século XIX foi o doutor C.,J. Thacher. Este medico explicava que a energia da vida vinha da força magnética do sol e era conduzida através do sangue devido ao seu alto conteúdo em ferro. Aproximadamente um século depois, em 1954, Linus Pauling recebeu o prêmio nobel de Química pelos seus descobrimentos sobre as propriedades magnéticas da hemoglobina, uma substancia presente no sangue que contém ferro.
A meados do século XX, o interese pela Cura magnética aumentou rapidamente em paises como México, Índia, Rússia,EUA, Japão e China.


Materia publicado por (Raúl Landini Ebner)

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada